segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Leitura em voz alta

Dia 12 de outubro é também o dia nacional da leitura. Por isso, nesse dia é bom salientar que além de cantar e falar com seu filho, também é importante ler em voz alta. Segundo a Academia Americana de Pediatria (UCLA), ler em voz alta para os bebês desde o nascimento pode enriquecer a linguagem , o raciocínio e o rendimento geral do sistema nervoso central. Especialistas em Bilinguismo, defendem que, ainda durante a gestação, o bebê já recebe os estímulos de som emitidos pela mãe, por isso recomendamos ler em voz alta em outra língua desde a gestação de modo a beneficiar e desenvolver a habilidade para outras línguas.
Alguns exames de ultrassom, mostram as reações do bebê quando ele ouve a voz da mãe e do pai. Também, estudos demonstram uma diferença na reação do bebê quando ele ouve uma língua diferente a que está familiarizado. Ler é sempre bom e saudável!

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Viajar com a Lista

- Como foi a viagem?
- Andei tanto!
- Você viu a Estátua da Liberdade?
- Só de longe, não constava da lista.
- Que pena! Foi ao Central Park?
- Também não tava na lista.
- Foi ao Museu de História Natural?
- Ah, esse sim. Comprei o presente do meu sobrinho neto lá.
- Viu alguma peça na Broadway?
- Claro, precisa comprar uma camiseta autografada.
- Ah! Foi ao Empire State Building?
- Não tava na lista...mas comprei uma estatueta.
- Sei....Visitou o Rockfeller Center?
- Ah, claro, mas depois de percorrer toda a Fifth Avenue para concluir a Lista. Estava exausta. Nem vi direito.
- Mas, afinal o que você fez em Nova York?
- Na verdade, segui a lista.
- Que lista?
- De compras. Quando souberem que eu ia a Nova York, todos me pediram alguma coisinha. Levei 10 dias correndo atrás de cumprir a lista.
- Ah, achou tudo?
- Sim, esse foi o problema.
- Como assim?
- Depois de passar dez dias comprando tudo que me encomendaram, voltei sem ver nada além da lista e das lojas, paguei excesso de bagagem e fui parada na alfândega onde paguei as taxas também.
-Nossa! Jura?
- Já conseguiu entregar tudo?
- Na verdade, ninguém quis ficar com nada que foi encomendado porque disseram que ficou muito caro.
- ?????? Meu Deus!!!! E agora?
- Estou fazendo uma garage sale para recuperar o que gastei e tentar voltar para Nova York sozinha! Sem lista, Que tal um creminho da Victoria Secrets? Ou uma bolsa Michael Kors?


sábado, 27 de setembro de 2014

Combatendo o envelhecimento

Segundo pesquisa da Universidade de Edimburgo na Escócia, o domínio de uma língua adicional atrasa declínio mental durante a velhice. Os estudos demonstram que as pessoas com Alzheimer, fluentes em duas línguas, apresentam sintomas da doença até sete anos mais tarde que as pessoas monolíngues. Além disso, as pessoas que são bilíngues apresentaram melhor desempenho em alguns testes cognitivos também.
A Dra. Ellen  Bialystok demonstrou em estudo apresentado no Congresso Internacional em São Paulo no mês de setembro, que o cérebro de bilíngues tem o sistema executivo mais desenvolvido. Este fato ocorre porque, se o indivíduo sabe duas línguas e as exercita regularmente, cada vez que ele fala, ambas as linguagens aparecem e o sistema executivo escolhe o que é relevante no momento. Também foi comprovado neste estudo, que bilíngues se saem melhor em multitarefas, pois, para tal, há a ação direta do controle executivo cerebral muito exercitado na escolha de línguas.
O constante gerenciamento dos sistemas linguisticos diferentes provoca uma reorganização e um fortalecimento para outras ações, por este motivo,as pessoas bilingues tornam-se mais rápidas pois estão sempre navegando entre duas línguas. Outro fator importante é que este exercício constante dos bilíngues provoca o desenvolvimento de uma memória melhor.IMG_0875

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

1, 2, 3

1 2 3 4 5 6 7 8 9 ops 10° andar...rumo ao salão número 2, 7.30 ?ou 8.00,..talvez 7.45 seja o adequado, sempre é melhor optar pelo ½ ou 0,5.
E lá vem agora o 112, conta cinco passos até o elevador, desce dois andares e caminha 20 passos até o salão número 2. Assim, sucessivamente, todos os números, digo, condôminos se reúnem.
No salão,enquanto apenas seis estão aguardando a chegada dos demais, o síndico começa a desabafar sua tristeza – Acredita que 126, me encontrou na garagem e veio reclamar da empresa que foi contratada para a reforma???? Como assim??? Eu falei, você estava na reunião. Foi aprovada em conselho!! e continuou – Gente, não aguento mais...Ele reclama de tudo e mais um pouco. Até sobre a cor das pastilhas, ele teceu comentários sarcásticos!!!
Neste momento, o 222 tentou tranquilizá-lo dizendo que o cara é legal, mas é um tanto
perfeccionista. Já a moça do 426, afirmou que o 126 é crica e adora desmerecer tudo e todos.
De repente, chega o 126 , quieto, tranquilo e toma seu lugar.
O círculo se forma, a reunião começa com todos os números devidamente representados, a leitura da ata da 543° reunião é lida, e, nesse momento, antes de discutirmos os $20.00,00 gastos em reformas ou os 3 fundos recolhidos mensalmente ( fundo de reserva, de obras e de férias), com toda a falta de tato possível o 126 começa a dizer que da próxima vez em que o condomínio for contratar alguém para fazer um serviço, deve ser mais cuidadoso porque o último serviço na caixa d´água... blá blá blá críticas e mais críticas, reclamações e mais reclamações..até que surge o convite inesperado para que o 126 assuma o cargo de síndico. Rapidamente, ele, o reclamão de mão cheia, nega e afirma que prefere cooperar sem compromisso apenas dando suas opiniões. A discussão esquenta chegando aos 90° C, enquanto acaloradamente todos insistem que o Sr 126 Crítico de plantão deva ser o próximo síndico. Veementemente, ele rejeita o cargo.
Um a um, cada um assina seu número e se despede. Conclusão geral: quem gosta de atirar pedras, foge de ser vidraça. Preferem continuar na comodidade do um mais um igual a quatro que arriscar nas probabilidades.



terça-feira, 29 de julho de 2014

Penetra de sorte

Convite elegante..exigência de traje social e pontualidade. Seguindo a determinação à risca, a Lady chega ao Centro de Convenções, senta-se a mesa que está reservada para a sua empresa e enquanto saca o celular para ligar para os colegas, uma senhora se aproxima, vai sentando e pergunta se pode ficar ali até que as pessoas de sua mesa cheguem. A Lady assente e aguarda seus colegas chegarem conversando com a senhora.
As pessoas vão chegando, tirando suas conclusões e a distinta senhora lá permanece. Falta um lugar à mesa, mas a dita senhora não tão distinta nem se move. Uns acham que ela é sócia da Lady, outros que é cliente nova da firma e ainda outros acreditam que está acompanhando a Presidente da empresa!!! Mil e quinhentas fotos e selfies são tirados e a ilustre desconhecida sai em todas, inclusive sempre abraçada na aparente amiga de infância - a CEO da empresa!!!
A noite caminha agitada e animada regada a vinho e whisky. A ilustre companheira de evento tornou-se quase a anfitriã pois já oferecia bebidas a todos, chamava o garçon e comia as uvas e frutas supostamente colocadas como enfeite da mesa.
Lá pelas tantas, começou a se engraçar com o marido de uma das empresárias presentes e,como se não bastasse, assediou ninguém menos que a própria presidente!!!!
Situação esquisita e intolerável não fosse a animação da banda e o bom humor dos presentes. Lá pelas tantas, quando a maioria preferia ficar em pé a tolerar a senhora já bem temperada pelo vinho e whisky, ela resolve levantar-se e pasmem.....ela não conseguiu manter-se em pé e caiu, sem sentidos, em cima do marido de uma das convidadas.
Você acha que isso é demais??? - Nada disso. Prepare-se para morrer de inveja – ela saiu do recinto no colo do bombeiro!!!!!
Definitivamente, nem tudo é o que parece.


sábado, 19 de julho de 2014

Aula de História recente


Eis que eu e minha família estávamos em uma loja e, de repente, surpreendi-me voando para o passado na hora de efetuar o pagamento. Isto aconteceu porque paguei um casaco de uma marca famosa para meu filho com uma nota de 100 dólares, além do casaco ainda devolvi para a carteira mais 265 pesos.

Neste momento, sai da loja lembrando da época da alta inflação no Brasil e como professora que sou iniciei as aulas de história para meus filhos.

Houve época pré Presidente Fernando Henrique que a inflação estava tão alta que praticamente trocamos nossa moeda corrente por uma senhora chamada TR . Esta senhora possuía a capacidade invejável para qualquer mulher: renovação diária! A cada dia mais jovem e renovada. Digo isto porque este indexador era atualizado diariamente e os preços subiam assustadoramente.

Em virtude desta inflação desenfreada, desenvolvemos certos hábitos difíceis de largar até hoje como: estocar comida e pagar as contas só no dia do vencimento.

A ida mensal ao supermercado era uma maratona com carrinhos abarrotados e sem leitor de código de barra, é isto mesmo, os produtos eram registados um a um digitando cada produto. Levávamos horas para fazer as compras, olhando os preços, comparando, fazendo contas sem falar na fila do caixa. Ao chegar em casa, haja freezer e armários para guardar tudo. Outro, esquema era montado: passar os produtos com validade próxima para a frente e no fundo do armário as demais. Para o freezer, ainda era necessário etiquetar e verificar a validade. Era enlouquecedor!

O valor dos produtos mais caros como carros eram também em TR ou em dólares. Parcelamentos também eram com indexadores. Os carnês das mensalidades escolares eram emitidos mês a mês sempre atualizados e próximo da data de pagamento. E, assim, vivemos, anos a fio sem conseguir vislumbrar uma luz no fim do túnel. Viajar para o exterior parecia impossível pois nossa moeda estava muito desvalorizada.

Nesta viagem ao passado, compadeci-me da situação da Argentina. Eles que já tiveram uma moeda muito mais forte que a nossa, lotando os resorts brasileiros, aproveitando nossas praias e nos matando de inveja ao dizer: Dá-me dos!, hoje passa por uma situação bem difícil aceitando qualquer moeda desde que faça a venda.

Talvez meu choque tenha sido maior por ter vindo de um país cuja moeda - a libra esterlina- valia mais de quatro vezes o real, então inverter a situação foi bom, mas também assustador.

De qualquer forma, a viagem foi ótima. Usufrui momentos maravilhosos ao lado da família e amigos, mas sem deixar de ensinar um pouco de história recente do Brasil e de como a vida tem altos e baixos. Precisamos viver os momentos de glória, sem menosprezar os menos favorecidos pois a vida é uma roda. Ser filho de professora é assim, tudo é motivo de reflexão e aprendizagem até em férias!






domingo, 29 de junho de 2014

Ditado???? Em inglês??? Tá louca?

Este recurso pode ser válido se houver objetivos específicos dentro de um plano de aula estruturado, porque além de ajudar a fixar a grafia das palavras, também esclarece a relação entre fonemas e grafemas. Entretanto, esta estratégia precisa estar contextualizada para que realmente alcance os objetivos e mantenha os alunos motivados.
Dentre muitas variações do ditado, minha preferida é a Wall Dictation. Esta atividade originalmente consiste de colocar fora da sala de aula uma lista de frases ou palavras e dividir a turma em grupos. Um aluno de cada grupo sai da sala, corre até a lista pregada em uma parede e retorna ditando-a para o grupo que escreve a palavra ou frase. Normalmente, peço que o grupo escolha uma secretária que ficará sempre escrevendo as palavras ditadas pelos outros alunos que se revezam na tarefa de sair da classe. Vence o grupo que terminar primeiro com o maior número de acertos. Gosto desta atividade porque envolve todos os membros do grupo com uma tarefa específica ( team work) e exige clareza na pronúncia, leitura e escrita. Os alunos normalmente adoram porque saem correndo e queimam bastante energia!!! Segundo a teoria das inteligências múltiplas de Howard Gardner, ela também é perfeita porque atende a diferentes tipos de inteligência tais como cinética, visual e auditiva.
De acordo com a faixa etária adapto a atividade. Por exemplo, com as crianças que ainda não escrevem, espalho os flashcards pelas paredes da cantina, os alunos, em grupos, precisam posicionar-se embaixo das figuras que representam o vocábulo dito. Outras vezes,individualmente, eles precisam encontrar e apanhar os flashcards.
Quando estão iniciando a alfabetização, alterno entre espalhar as imagens e eles relacionam, como num memory game, a grafia e a imagem ou mostrar a imagem e eles procuram as palavras escritas nos flashcards espalhados pelas paredes.

Enfim, as possibilidades de variações são muitas dependendo da faixa etária e do que se pretende ensinar ou reforçar. Dê asas à imaginação sem preconceito com o velho amigo chamado DITADO.